O Plano de Recuperação Justa de Energias Renováveis da Amigos da Terra África

As conclusões do recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) são simultaneamente terríveis e claras: a menos que haja reduções imediatas, rápidas e em larga escala das emissões de gases com efeito de estufa, a limitação do aquecimento para perto de 1,5°C ou mesmo 2°C estará fora de alcance. As mudanças climáticas já estão a devastar demasiadas vidas e meios de subsistência. Precisamos de uma mudança, precisamos de uma transformação energética. No entanto, há esperança. O “Plano de Recuperação Justa de Energias Renováveis para África” da Amigos da Terra África mostra que não só é urgente, mas inteiramente possível, reduzir as emissões, transformar o sistema energético e apoiar uma recuperação justa no continente.

A Amigos da Terra África acredita que a tripla crise das mudanças climáticas, da pobreza energética em África e da recuperação do COVID-19 devem ser abordadas em conjunto. Este “Plano de Recuperação Justa de Energias Renováveis” descreve como o continente pode desmantelar os sistemas de energia suja existentes, a fim de África dar o salto para 100% de energias renováveis para todos até 2050. Tal plano exigiria mais de 300 gigawatts (GW) de novas energias renováveis até 2030, conforme acordado pela União Africana, e mais de 2000 GW até 2050.

O relatório, baseado no trabalho do famoso académico Dr. Sven Teske da Universidade de Sydney, demonstra como um plano de Recuperação Justa poderia ser alcançado por 130 mil milhões de dólares por ano e financiado através das finanças públicas do Norte global, pondo fim à evasão fiscal e à redução da dívida. Destaca também o potencial de criação de 7 milhões de novos empregos em energias renováveis.

Isto não é apenas um plano técnico, mas uma visão para a mudança do sistema, explorando como os sistemas de energias renováveis devem ser de propriedade social e baseados na comunidade, em vez de um pretexto para privatizar o sector energético. A transformação para energias renováveis deve ser acompanhada pelos princípios-chave da suficiência energética, soberania energética, e ver a energia como um bem comum e não como uma commodity. O sistema energético deve proteger a biodiversidade, reforçar os direitos da terra comunitária, promover a justiça de género, e afastar-nos do extrativismo.

Encontre aqui o relatório completo

Além disso, 50 organizações e grupos em toda a África endossaram uma declaração política a exigir a mudança de que precisamos no continente, disponível aqui.

https://www.foei.org/wp-

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: