Category Archives: agro-ecologia

Como resistir às Plantações de Monocultura?

21 de Setembro Dia Internacional de Luta contra as Plantações Industriais de Árvores

Por ocasião do dia 21 de Setembro de 2021, Dia Internacional de Luta contra as Plantações Industriais de Árvores, a Ação Académica para o Desenvolvimento das Comunidades Rurais (ADECRU), a Justiça Ambiental (JA!), o Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais (WRM), a Missão Tabita e a AJOCME juntaram-se na organização de um encontro internacional sob o lema “Como Resistir às Plantações de Monocultura”. Este encontro foi realizado de forma mista, interligando via plataforma Zoom, modo a respeitar as medidas de prevenção da pandemia, pequenos grupos de membros de comunidades afectadas por plantações de monoculturas provenientes de 4 províncias do país (Manica, Sofala, Zambézia e Nampula) nas cidades de Chimoio, Quelimane e Nampula em Moçambique, membros afectados pela empresa Green Resources na cidade de Iringa na Tanzânia e ainda parceiros importantes no Brasil e em Portugal.

A nossa primeira sessão do Encontro “Como resistir às Plantações de Monocultura?” decorreu no dia 21 de Setembro e foi essencialmente dedicada à partilha de experiências de membros das comunidades afectadas, bem como das organizações da sociedade civil que apoiam e trabalham com estas comunidades e ainda dos instrumentos práticos para denunciar e resistir à violação de direitos, à usurpação de terra e meios de vida.

Ouvimos os testemunhos de membros de comunidades afectadas pelas plantações das 4 províncias do pais e ainda da Tanzânia, onde também opera a Green Resources, e apesar de se tratarem de comunidades em diferentes províncias, e até noutro país, os seus relatos foram assustadoramente semelhantes no que se refere aos impactos das plantações de monocultura nas suas comunidades e nas suas vidas em particular.

Estes testemunhos foram carregados de sentimento, percebemos uma vez mais a imensa insatisfação e sentimento de abandono, e em todos ouvimos sobre:

– As inúmeras promessas de vida melhor, emprego, construção de escolas, pontes, etc, todos os testemunhos referem a promessas não cumpridas, referem ainda que foram estas mesmas promessas que permitiram a entrada destas empresas nas suas comunidades, a expectativa de melhorar de vida foi maior do que o conhecimento sobre os impactos destas;

– As consultas comunitárias foram mal conduzidas, por não terem sido abrangentes, não trazer informação sobre os impactos não permitiram uma participação informada das comunidades em questão, referindo ainda que foram apenas promessas e pouca informação ou nenhuma informação sobre os impactos;

– O pagamento de compensações por perda de terra e meios de subsistência foi inadequado, por vezes inexistente, e não resultou de uma negociação com os afectados mas sim de uma imposição das empresas em estreita colaboração com o governo,

– As queixas e reclamações das comunidades ao longo dos últimos anos tem sido largamente ignorada, minimizadas ou ate combatidas através de ameaças e intimidação a quem continua a resistir;

– O Governo esta cada dia mais distante do povo, não reconhece e responde aos apelos e as queixas dos mesmos e não protege os interesses e bem estar do povo;

De Nampula, ouvimos das comunidades afectadas que a empresa Green Resources esta falida e a retirar-se de 4 comunidades, nomeadamente Lancheque, Meparara, Messa e Namacuco. Mas esta saída da empresa, não esta a ser transparente nem simples, pois nem a empresa nem o Governo se dignaram apresentar as comunidades como sera e o que significa de fcato esta saída. Em vez disso, foram informados por organizações da sociedade civil que segundo os relatos não tinham qualquer relação com as comunidades antes deste momento, e o que lhes foi apresentado é que a empresa esta a retirar-se e a devolver as terras as comunidades, e que os eucaliptos já plantados passarão a responsabilidade destas, mas que para tal serão estabelecidas associações comunitárias e serão estas a gerir o processo. Embora supostamente estejam a devolver a terra a estas comunidades, o processo que esta a ser levado a cabo e igualmente problemático, pois não esta a ser conduzido de forma aberta e transparente, foi pensado e decidido uma vez mais a nível central, não se sabe exatamente por quem ou como e foi imposto as comunidades que pouco ou nada tem a dizer, pois já esta decidido que será assim, e mesmo contestando esta a avançar, pois há que justificar fundos e fazer relatórios aos doadores. É vergonhoso e inaceitável! Como organizações da sociedade civil, denunciamos e criticamos a imposição de projectos e decisões por parte do governo e das empresas e agora vemos também organizações da sociedade civil a proceder da mesma forma, alegando que o fazem pelo bem das comunidades… não é este o mesmo discurso que ouvimos do governo e das empresas? E por que não consultam as comunidades antes de decidir sobre o que é melhor para estas? Porque julgam que estão a proteger as comunidades? Ficou claro que as comunidades querem a sua terra de volta, mas não querem os eucaliptos, nem tao pouco querem mais uma decisão imposta!

Da Zambézia ouvimos relatos de graves situações de conflito entre a empresa Mozambique Holdings Lda. em Lugela e as comunidades locais, desde perseguição, intimidação, agressão física e psicológica de camponeses e camponesas membros destas comunidades até mesmo à destruição de culturas e de celeiros de membros da comunidade. Foram submetidas queixas formais ao nível da Policia no distrito de Lugela, estas situações constituem crime e deverão ser tratadas como tal, que seja feita justiça de forma exemplar para que jamais funcionários e dirigentes de alguma empresa sequer considere proceder de forma similar.

Ainda da Zambézia ouvimos também testemunhos de afectados pelas plantações da Portucel Moçambique, uma empresa já bastante conhecida, as situações referidas são comuns nas várias comunidades afectadas, e as mais graves incluem a perda de terra para cultivo, empregos muito escassos, sazonais e precários, situações de perseguição; as inúmeras promessas de vida melhor foram apenas promessas para convencer as comunidades a ceder as suas terras e hoje estas comunidades já não tem mais esperança nestas promessas nem na empresa, já não há como enganar com discursos pois a grande maioria dos afectados não viu qualquer melhoria na sua vida, pelo contrário, as suas vidas estão ainda mais difíceis pelas razoes acima.

As organizações da sociedade civil que trabalham em estreita ligação com estas comunidades também falaram sobre os inúmeros desafios enfrentados para levar a cabo o seu trabalho, pois ao defender e dar voz às queixas e às demandas das comunidades, colocam-se estas também sob a mira destas empresas e das autoridades locais, e sofrem imensa pressão dos mesmos, desde visitas inesperadas, exigências constantes de documentação destas instituições desde comprovativos de registo das mesmas, aos estatutos ate a autorizações para trabalhar nestas comunidades, apesar de serem associações devidamente autorizadas e registadas, portanto autorizadas a trabalhar no país.

Da Tanzânia, ouvimos também sobre as queixas e conflitos entre as comunidades e a Green Resources, assustadoramente semelhantes à situação em Moçambique. Percebemos ainda como a empresa e os seus interesses são protegidos e defendidos pelo governo. O trabalho da fundação Suhode enfrenta inúmeros desafios, inclusive perseguição e detenção pela polícia. Recentemente foram presos por 19 dias, sem nenhuma acusação formal, todo o seu equipamento foi confiscado, e permanece na posse da polícia até hoje.

No final desta primeira sessão, foram ainda apresentados e discutidos alguns dos instrumentos práticos para que estas e tantas outras comunidades possam exigir a reposição dos seus direitos e de fazer ouvir as suas queixas e demandas.

A segunda sessão decorreu no dia 22 de Setembro e foi dedicada a discutir e perceber os planos de expansão das plantações de monocultura que surgem mascarados sob o falso pretexto de “reflorestamento” enquanto nada mais são do que estabelecimento de mais e mais áreas de monocultura, que foi muito claramente apresentado pelo Winnie Overbeek do Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais. E Erika Mendes da JA! complementou falando sobre como se beneficiam as empresas de plantações destes planos e como os influenciam, como se processa de facto a arquitetura da impunidade corporativa de que gozam estas grandes empresas e como são tao mais “protegidas” por inúmeros tratados e acordos que os próprios estados. Oliver Munnion da Global Forest Coalition falou ainda sobre como as empresas como a Portucel, beneficiam de fundos da iniciativa de restauração florestal, fundos que deveriam servir de facto para a restauração florestal estão a ser canalizados para empresas como a Portucel com inúmeras queixas das comunidades onde operam, empresas privadas com actividades comprovadamente inadequadas, no entanto, isto não só é possível como tem sido largamente promovido, e alias constitui a ‘Estratégia Nacional de Reflorestamento’.

Nesta segunda sessão, focamos ainda nos inúmeros exemplos de resistência em redor do mundo, em particular exemplos dos companheiros do Brasil, em que comunidades afectadas tem não só resistido `a ocupação dos seus territórios, como tem inclusive recuperado terras comunitárias e tem se fortalecido como movimentos sociais cada vez maiores e mais fortes através de processos de empoderamento e unificação das comunidades afectadas e de organizações parceiras e empenhadas na luta pela defesa dos direitos humanos, direito a terra e á soberania alimentar!

A agroecologia tem um papel fundamental nesta luta, pois incorpora importantes questões sociais e políticas, por exemplo ao reconhecer os direitos dos povos e comunidades sobre a sua terra e recursos naturais, ao promover a soberania alimentar e a organização comunitária, fortalece as lutas contra usurpação de terra e meios de subsistência e rejeita e resiste ao controle destes pelas grandes corporações. A Agroecologia valoriza o bem-estar das pessoas e a vida, respeita e promove o conhecimento tradicional, como os sistemas de gestão de sementes nativas. A agroecologia fortalece a soberania e a segurança alimentar, já que promove a diversidade, a consorciação de culturas e enquanto alguma variedade de alimento estiver em risco, outras podem se manter resistentes e sobreviver.

A agroecologia vê a natureza como aliada!!!

Comprometemo-nos a continuar a luta, comprometemo-nos a continuar a denunciar a violação de direitos e a exigir a reposição dos mesmos. As principais demandas e compromissos resultantes do nosso encontro estão contidas na Carta pública do Encontro Internacional “Como Resistir às Plantações de Monocultura”.

A Luta continua!

Com as etiquetas , ,

Comunicado de Imprensa

O Acordo de Glasgow: uma nova iniciativa para o movimento pela justiça climática

O movimento pela justiça climática tem uma nova ferramenta para lidar com as mudanças climáticas e alcançar a justiça climática: o Acordo de Glasgow. Esse compromisso se propõe a resgatar a iniciativa de governos e instituições, criando uma ferramenta alternativa de acção, colaboração e articulação entre diversos grupos de justiça climática em volta do mundo. Os grupos usarão várias táticas, incluindo desobediência civil, para conseguir os cortes de emissões necessários para evitar um aumento de temperatura de 1,5ºC até 2100.

Este acordo, que pode ser lido aqui, foi construído durante os últimos meses com várias organizações de todo o mundo. O movimento pela justiça climática pressupõe a necessidade de cortar coletivamente as emissões de gases de efeito estufa por meio de uma estrutura política de justiça climática. Para alcançar esses cortes necessários, as organizações farão inventários territoriais dos principais sectores e emissores de gases de efeito estufa e de projectos futuros e, a partir disso, criarão uma agenda climática com prioridades de actuação em encerramento e transformação. Globalmente, o Acordo de Glasgow propõe a criação de uma agenda climática mais ampla, baseada em prioridades territoriais, para o movimento pela justiça climática. Nacional e internacionalmente, as organizações do Acordo de Glasgow apoiarão umas às outras com táticas e conhecimento, a fim de cumprir as agendas climáticas locais e globais.

Existem actualmente mais de 50 organizações, de mais de 20 países e 3 continentes diferentes trabalhando no processo do Acordo de Glasgow. O acordo será assinado em Novembro, tanto offline quanto online, na iniciativa “From the Ground Up” da Coalizão COP26. Três meses após a assinatura do Acordo de Glasgow, os membros terão produzido seu primeiro inventário nacional dos principais emissores de gases de efeito estufa e futuros projectos que aumentem as emissões, a fim de criar a agenda climática correspondente.

Se quiser saber mais sobre o Acordo de Glasgow, pode visitar o site aqui ou entrar em contato com:

Myrtille Huchette (France): +33 076 980 4777

Nicole Figueiredo (Brazil): +55 (41) 8445 0000

Samuel Mondlane (Mozambique): +258 82 120 1066

Samuel Martin-Sosa (Spain): +34 686 961 486

VII Encontro Internacional de Agroecologia, Agricultura Sustentável e Cooperativismo de 15 a 23 de Novembro 2019.

IMG-20191119-WA0004

JA! participou em importantes discussões sobre Agroecologia em Cuba
Agroecologia não é apenas uma questão de opção mas uma necessidade urgente!!!

Os primeiros 2 dias foi uma Formação Política em Agroecologia dos Amigos da Terra Internacional, no Centro Integral da ANAP “Niceto Garcia Perez” em Guira de Melena, Cuba.

Este encontro dos Amigos da Terra Internacional antecedeu o VII Encontro Internacional de Agroecologia, Agricultura Sustentável e Cooperativismo da “Associação Nacional de Pequenos Agricultores” – ANAP.

Um dia do encontro, foi dedicado a visitas a três cooperativas todas em Guira de Melena, com o principal objectivo de perceber como funcionam as mesmas.

Os últimos dois dias do VII Encontro Internacional de Agroecologia, Agricultura Sustentável e Cooperativismo, foram inteiramente dedicados a apresentações e debates sobre várias experiências práticas da implementação de agroecologia, tanto em Cuba como em outros países.

Em plenária foram apresentados e discutidos:

– Os desafios e a urgência da necessidade de transição para uma produção agroecologica para assegurar o equilíbrio ecológico do nosso planeta. A transição para uma produção agroecologia é urgente e fundamental particularmente no contexto de muitos países em que o agronegócio, em larga escala e altamente controlada por interesses de grandes corporações pretende de todas as formas se estabelecer ou se manter e deter o monopólio de territórios, sementes, fontes de água, através do modelo capitalista desumano e explorador;

– A sustentabilidade económica, social e ambiental da agroecologia foi demonstrada com exemplos concretos nestes dois dias para além do que podemos observar nas visitas de campo efectuadas nos primeiros 3 dias do Encontro Internacional. Não podemos permitir que as corporações e governos a estas aliadas, e por estas controlados, continuem a alegar que a agroecologia não é economicamente sustentável! É sustentável sim! Não podemos permitir que continuem a drenar importantes recursos para a promoção e manutenção do agronegócio, para a implementação de falsas soluções para problemas criados pela ganância do homem e deste mesmo sistema capitalista que se assenta na exploração contínua de recursos. Como tem sido com a imposição de enormes programas agrícolas que se baseiam na exploração e usurpação de territórios, na imposição de sementes geneticamente modificadas, como os inúmeros programas de fomento agrícola e chamadas revoluções “verdes” que convencem que é necessário produzir cada vez mais comida e que isto só poderá ser alcançado pelo uso de cada vez mais fertilizantes e herbicidas químicos, que de facto contaminam e destroem territórios… e que pretendem antes de mais gerar lucro para as corporações que controlam este mercado…

Após uma manhã inteira de importantes discussões em plenária, os participantes tiveram a oportunidade de participar nas diferentes comissões para debater em maior profundidade:

– Agricultura familiar e soberania alimentar;

– Agroecologia e meio ambiente;

– Biodiversidade e sementes;

– Reforma agrária, território e cooperativismo;

– Género, processos de formação e promoção da agroecologia;

Houve ainda oportunidade para perceber melhor o impacto que o embargo económico, injusto e desumano que os Estados unidos da América colocou a Cuba há quase 60 anos, que afecta não só toda a economia do país como todo o povo cubano… nesta conferência foi elaborada e assinada pelos participantes uma declaração de solidariedade com o povo Cubano e de repúdio ao embargo!!! Foi também apresentado e discutida a Estratégia Nacional do Ambiente de Cuba, incluindo o Plano Estratégico para a mitigação das mudanças climáticas e discutidas as ações prioritárias para fazer face aos inúmeros impactos destas no planeta e em Cuba em particular.

Foi notável a presença e participação nestes dois dias de inúmeros e importantes quadros do governo de Cuba, ligados ao Ministério da Agricultura e aos vários institutos de pesquisa e universidades. Mas mais notável do que a mera presença foram os discursos dos mesmos, em particular do Vice Ministro da Agricultura, que reconhece e identifica os inúmeros desafios da agricultura em Cuba, a necessidade urgente de transição para a agroecologia para assegurar a manutenção do equilíbrio ecológico, uma alimentação mais saudável para todos, e a valorização e a exaltação do campesinato cubano…

IMG-20191118-WA0006

É fundamental desenhar e implementar políticas públicas que realmente respondam aos actuais desafios e valorizem antes de mais a Humanidade e a vida na Terra, em todos os sectores mas neste caso em particular na agricultura! O discurso do Vice Ministro da Agricultura de Cuba foi carregado de largos elogios ao campesinato, ao imenso e árduo trabalho destes e das cooperativas e da ANAP para produzir mais e melhor a cada dia, do imenso trabalho na implementação cada vez maior da agroecologia foi e …é um orgulho ser camponês em Cuba, é sem dúvida para os próprios camponeses e camponesas um enorme orgulho ser camponês mas também o é para todo o cubano! é valorizado a todo o momento o trabalho que fazem e a sua enorme e imprescindível tarefa de produzir alimento saudável para todos! Não pude, como é óbvio, deixar de notar com muita tristeza a enorme diferença entre esta realidade, em que o campesinato tem de facto o apoio político e governamental e a realidade triste do nosso país….

O encontro terminou com muita emoção por parte de todos os participantes, com declarações dos representantes de vários países e fechou com uma festa típica cubana, carregada de música, boa disposição e muita solidariedade e partilha!!!

IMG-20191122-WA0021